Total de visualizações de página

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Via Orla


Tênis


             Igor vence na estréia do Torneio Internacional de Curitiba. 

Igor vence na estréia. 
O Torneio Internacional Masculino de Tênis - Ano III começou nesta segunda-feira (14) em Curitiba. A competição reúne 88 tenistas, representando oito países: Brasil, Argentina, Chile, Paraguai, Uruguai, Estados Unidos, Suécia e Suíça. 

A competição tem as chancelas da Federação Internacional de Tênis, da Confederação Brasileira de Tênis e da Federação Paranaense de Tênis e soma pontos para os rankings da Federação Internacional de Tênis e da Associação de Tenistas Profissionais (ATP).

O torneio está sendo disputado nas quadras do Graciosa Country Club, de Curitiba.Na primeira fase, da categoria de simples, o tenista caraguatatubense- Igor Marcondes (BRA) enfrentou Alexandre Tsuchiyta (BRA) e venceu por dois setes a um, parciais de 4/6, 6/2 e 6/3. 



domingo, 13 de maio de 2018

Via Orla


Serviço Bancário

Aguilar Junior quer mais uma agência da CEF na cidade.

Quem é usuário da CEF(Caixa Econômica Federal), em Caraguá, sabe muito bem como é o atendimento por lá. Pois bem, foram tantas reclamações feitas na agência bancária e na, própria prefeitura, que o prefeito Aguilar Junior, decidiu tomar providências em busca de uma solução para um melhorar o atendimento na CEF aos usuários.
Aguilar Junior com representantes do sindicado dos bancários.
Aguilar Junior reuniu-se esta semana com representantes do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários (SEEB) de São José dos Campos e Região para tratar da abertura de uma nova agência da Caixa Econômica Federal (CEF) na cidade.
Uma nova agência seria o ideal para a Prefeitura e para o Sindicato dos Bancários. O próprio sindicato têm recebido inúmeras reclamações de usuários na demora do atendimento na única unidade instalada no centro da cidade.
Segundo o sindicato, a agência de Caraguá, teria 22 funcionários para atender uma média de 1 mil pessoas por dia. No dia a dia, o movimento é dos maiores na agência.  
Aguilar Junior pretende, na próxima semana, se reunir a Superintendência da Caixa Econômica Federal para tratar do assunto: tentar uma nova agência para a cidade, se possível, na região Sul.
“Vamos protocolar o pedido e anexar um abaixo assinado com cerca de 2 mil assinaturas da população solicitando a instalação de uma nova agência. O tempo de espera na fila é desumano, principalmente para os mais idosos”, destaca.

Via Orla


Eleições 2018
             
Pré-candidato ao governo de São Paulo, Skaf promete “concluir” Tamoios e privatizar porto.

Skaf e Aguilar Junior(Foto:Radar Litoral)
Mais um pré-candidato ao governo de São Paulo esteve em campanha em nossa região. Desta vez, foi Paulo Skaf(MDB). Skaf esteve em Caraguá, na sexta-feira. Assim como, o pré-candidato Dória (PSDB) que esteve por aqui na semana passada, Skaf acabou fazendo as mesmas promessas a respeito do turismo regional, da privatização do porto de São Sebastião, da conclusão da Tamoios e da melhoria da travessia de balsa.
O pré-candidato Skaf esteve em Caraguatatuba nesta sexta-feira, sendo recepcionado pelo prefeito Aguilar Junior e secretários municipais. Skaf assistiu a assinatura do convênio do PAF (Programa Atleta do Futuro), parceria entre o Sesi e a Prefeitura. Skaf já concorreu em 2014, ficando em segundo lugar, com quase 5 milhões de votos.
Em entrevista coletiva, Skaf falou sobre a importância da região para o estado. Segundo ele, o Litoral Norte tem grandes oportunidades que possam ser aproveitadas, como o turismo, o comércio e produção para o mercado regional, empreendedorismo, empregos melhores.
“Para isso, é preciso formação profissional, fomentar o desenvolvimento, ter bons acessos, segurança e qualidade na educação”, afirmou.
Ele disse ainda que, se eleito for, vai terminar as obras do contorno e da duplicação da Rodovia dos Tamoios.  “Há 20 anos que ouvimos falar dessas obras. Vamos concluir essas obras o mais rápido possível”, comentou.
Skaf falou também sobre o porto e o sistema de travessias em São Sebastião. “O porto é outro projeto que se discute demais. As discussões são muito maiores que os resultados concretos. Travessia e porto são prioridades e merecem toda a atenção e temos de resolver as questões ambientais”, disse.
Skaf defendeu a privatização do porto sebastianense, pois segundo ele, “o estado, quando faz mal feito, continua fazendo o resto da vida. Com a privatização, a população é beneficiada, pagando menor preço com mais qualidade do serviço”.


sábado, 12 de maio de 2018

Via Orla

Eleições 2018

Associação Comercial de São José “fecha as portas” para candidatos do Litoral Norte.

              Litoral Norte também deve valorizar o voto regional.

Campanha da ACI de São José.
No próximo dia 28, a ACI (Associação Comercial e Industrial de São José dos Campos) lança uma campanha, que deverá ser estendidas as demais entidades do Vale do Paraíba, com o objetivo de fortalecer o voto regional no Vale do Paraíba.
 A campanha terá como tema: “O Vale vota no Vale”. O objetivo é simples estimular o voto regional para aumentar o número de deputados estaduais e federais em defesa doa região, do Vale do Paraíba.
Tal iniciativa, deve prejudicar, e muito, a atuação dos possíveis candidatos do Litoral Norte nas cidades do Vale do Paraíba.
A ACI de São José dos Campos pesquisou e percebeu que nas eleições de 2014, dos 15 candidatos mais votados para deputado federal, nove deles era de outras regiões.
A pesquisa apontou também que dos 280.487 votos registrados em São José, em 2014, 94.209 foram destinados aos candidatos de fora do Vale do Paraíba.
A campanha, nas associações comerciais do Vale, pretende aumentar, em 2018, a representação dos deputados da região, na assembleia e câmara federal.
Atualmente, o Vale conta com dois deputados estaduais e três deputados federais. O Litoral Norte não conta com nenhum representante na assembleia e nem na câmara federal.
A campanha, no entanto, poderá prejudicar os candidatos do Litoral Norte. Será muito difícil eles conseguirem votos nas c idades daquela região.
A região do Vale conta com cerca de 1,7 milhões de eleitores. O Litoral Norte tem cerca de 230 mil eleitores.
O último candidato a deputado eleito pelo Litoral Norte foi em 2006, quando Antonio Carlos da Silva, ex-prefeito de Caraguá, obteve 94.218 votos pelo PSDB. Silva ficou dois anos como deputado e, renunciou ao cargo, para disputar novamente a prefeitura da cidade.  
Regional
O Litoral Norte tem coeficiente eleitoral para eleger dois deputados estaduais e um federal. Para isso, é preciso estimular nos eleitores a necessidade de que sejam eleitos representantes da própria região.
Ou seja, também temos que estimular o voto regional. Se isso ocorrer nas eleições de outubro, será muito importante para a região.
Como já disse aqui, nossos eleitores votam em candidatos de fora, às vezes, bons candidatos, mas que após serem eleitos, praticamente “viram as costas” para as necessidades da região. Tem deputados, que tiveram boa votação por aqui, que sequer visitam as cidades.
Se elegermos candidatos do Litoral Norte, qualquer que seja o partido, este candidato é natural da região, vai circular muito mais por aqui e terá a cobrança direta de seus eleitores.
Os nomes começam a aparecer. Até junho, teremos os nomes de todos os candidatos da região. Se, o Vale vai votar no Vale, o Litoral deve votar no Litoral. Desta vez, no entanto, se algum deles se eleger, que cumpra os quatro anos de mandato.   

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Via Orla


Segurança Pública

          Índices caem, mas sensação de insegurança permanece.

Coronel Salles, novo comandante com o governador Márcio França. 
O Litoral Norte, especialmente, Caraguatatuba, a maior cidade da região, vive uma situação das mais interessantes com relação à segurança pública. Os índices de criminalidade caem, mas a população continua bastante insegura.

É uma situação bem interessante. A recente temporada de verão, período em que  todas as cidades recebem reforço policial, foi das mais tranquilas. Em Caraguá, por exemplo, foram registrados (até março) 3 homicídios e 10 tentativas de homicídios. No mesmo período do ano passado, foram 8 homicídios e 8 tentativas.  

Entre janeiro e março de 2018 foram registrados 205 roubos( foram 232 no mesmo período do ano passado) e 555 furtos( entre janeiro e março de 2017 foram 537), em Caraguá. Tivemos 9 roubos de veículos entre janeiro e março deste ano e seis roubos no mesmo período no ano passado.

Caraguá não registrou nenhum caso de latrocínio durante as duas últimas temporadas de verão. O que mais chama a atenção são os casos de estupros: 22 casos entre janeiro e março; no mesmo período no ano passado foram 11 casos.  

Atuação da polícia

Entre janeiro e março deste ano foram 17 ocorrências por porte de entorpecente; 44 ocorrências por tráfico de entorpecente; e, uma apreensão de entorpecente. Foram presas em flagrante 146 pessoas; 81 foram presas por mandado de prisão; foram feitas 190 prisões; 9 ocorrências por porte ilegal de armas; foram recuperados 57 veículos; e, 16 armas apreendidas.

 A gente tem notado uma melhor atuação das polícias civil e militar. É evidente, que após a temporada, com a redução do efetivo, as coisas ficam mais difíceis para as polícias: convivem com as mesmas dificuldades de sempre, falta gente, falta veículos e sobrecarga de serviço.

Por outro lado, os moradores e comerciantes de Caraguá, já há alguns anos, tem procurado colaborar, instalando equipamentos de segurança em seus comércios e casas.  Cercas elétricas, alarmes e câmera de monitoramento, hoje, com preços mais em conta, são bastante comuns na cidade.

Insegurança

Por tudo isso, queda nos índices de criminalidade e reforço na segurança patrimonial (casas e comércios), chama muito a atenção, o fato dos moradores se sentirem ainda inseguros. Como explicar ou solucionar isso?

Notamos que ainda são bem elevados os casos de furtos de celular e de bicicleta. Furtos em residência também. No entanto, são raros os casos de roubo a mão armada em residência ou casos de extrema violência à vítima. O que estaria assustando tanto a população?

Será que a violência ocorrida nas grandes cidades, exibida nos programas de televisão, assusta nossos moradores. É evidente que temos problemas, mas como mostram os números, divulgados pela própria Secretaria de Segurança do Estado de São Paulo,  trata-se de uma realidade , que pode ser considerada  “normal” para uma cidade turística, como Caraguá, com cerca de 120 mil habitantes.

Apesar disso tudo, de todo esforço da polícia, os pais continuam preocupados quando seus filhos saem a noite para estudar ou se divertir; as donas de casa tomam medidas de segurança quando vão as compras, ao banco e até mesmo, às missas e cultos.

Fico imaginando como o Estado pretende resolver essa situação, que deve ser a mesma vivida pelos moradores das demais cidades da região. O que fazer? O atual governador Márcio França mudou o comando da Polícia Militar, assumiu na última sexta-feira, o coronel Marcelo Vieira Salles.

Não sei se haverá alterações nos demais comandos, como aqui, no Litoral Norte. Não sei se isso- troca de comando, pode melhorar a sensação de segurança em nossa região. Às vezes, quando assume um novo comandante na PM, a primeira medida é fazer a troca de outros comandos. Vamos aguardar as novas medidas que o novo comandante-geral da PM deverá adotar. Alguma coisa, no entanto, deverá ser feita para que a população se sinta mais segura.   


segunda-feira, 7 de maio de 2018

Via Orla






Cidades


Troca no comando da Sabesp deve beneficiar o Litoral Norte.

O governador Márcio França(PSB) decidiu trocar o comando da Sabesp. Saiu o engenheiro Jerson Kelman, que era bastante criticado pelos prefeitos do Litoral Norte. Em seu lugar assumiu Karla Bertocco, zaté então subsecretária de inovação da Secretaria de Governo. A mudança no comando da estatal deve beneficiar, e muito, o Litoral Norte, cujas prefeituras definem a renovação do contrato de concessão de saneamento básico e distribuição de água com a Sabesp.

Felipe Augusto cobrava a saída de Kelman da Sabesp.
O prefeito de São Sebastião, Felipe Augusto, sempre foi um dos maiores críticos da gestão de Kelman. No final do ano passado, em reunião ocorrida em Caraguá, Felipe Augusto fez muitas críticas ao então presidente da empresa. Felipe Augusto pediu. Na ocasião, que o então governador Geraldo Alckmin, substituísse Kelman para o bem do governo.

O prefeito sebastianense afirmou em várias ocasiões que Kelman sempre tratou  muito mal os prefeitos.  Felipe Augusto chegou a declarar que “o presidente da estatal, Kelman, não conhecia nosso Estado, porque é do Rio de Janeiro, trata o Litoral Norte como uma região deficitária”.
Os quatros prefeitos, no entanto, sempre defenderam a atuação da atual diretoria da empresa no Litoral Norte. “Nos entendemos muito bem com todos os diretores locais e regionais. O problema é o Kelman que praticamente virou as costas para os nossos projetos”, comentou Felipe Augusto, em outubro do ano passado.

Negociações

Não falamos com os prefeitos sobre a saída de Kelman, mas tudo indica que todos ficaram muito contentes com a troca de comando na estatal, no momento, em que as prefeituras discutem com a Sabesp a renovação do contrato de concessão de saneamento básico e água. Os contratos estão vencidos. Kelman vinha propondo a universalização de saneamento básico e água em longo prazo. Pelas projeções da Sabesp a universalização desses serviços só devem   ocorrer em 2030(Caraguá) e em 2040(em São Sebastião e Ubatuba).

Os prefeitos querem reduzir esse prazo, alegando que, trata-se de uma região turística e que enfrentam graves problemas, principalmente, de saneamento básico. Caraguá, a maior cidade da região, conta atualmente com 92% de suas moradias atendidas por água e 72% com esgoto coletado, mesmo assim, bairros importantes como o Gaivotas, ainda não contam com coleta e tratamento de esgoto. Ubatuba, por sua vez, tem apenas 40% de suas moradias com coleta de esgoto. 

Via Orla


Turismo

Quiosques de Praia Grande são fechados para licitação pública

Em Caraguá, Prefeitura tenta regularizar a situação dos quiosques.

Quiosque em Caraguá. 
Os quiosques da cidade de Praia Grande amanheceram fechados nesta segunda-feira (7). A prefeitura local havia concedido um prazo até hoje para os concessionários desativarem seus estabelecimentos para a realização de licitação pública, conforme determinação do MPE(Ministério Público Estadual). Lá, foram fechados 136 quiosques. A licitação prevista para junho será para apenas 72 quiosques. Aqui em Caraguá, existe a mesma cobrança por parte do Ministério Público. O prefeito Aguilar Júnior tenta uma negociação com o MP e o SPU para manter os concessionários por alguns anos, até ser feita a licitação.  
Desde 2008, o MPE vinha cobrando a regularização dos quiosques em Praia Grande.  A Prefeitura de Praia Grande conseguiu “fechar” os quiosques, mas teve problema na licitação que estava marcada para a próxima quarta-feira. O MPE entrou na justiça questionando o edital e a licitação foi adiada para junho.
Os quiosqueiros protestaram e fizeram até manifestação na porta da prefeitura, mas o prefeito Alberto Mourão (PSDB) não voltou atrás em sua decisão. Mourão diz que o projeto visa o benefício público: vai embelezar a orla e oferecer melhores condições de atendimento aos frequentadores. “Temos que defender o interesse público e o respeito à sociedade, que quer a limpeza da praia e maior conforto”, comentou.
 Ele garante que protegerá os interesses dos quiosqueiros, que querem continuar suas atividades. .Segundo Mourão, entre as obrigações do vencedor da licitação (pessoa física ou jurídica, ou indivíduos e firmas em um consórcio) está a de financiar entre 150 e 200 carrinhos, reboques ou Food Trucks aos quiosqueiros que deixaram os atuais equipamentos, para que possam trabalhar na faixa de areia. 
Caraguá
Em Caraguá, o MP cobra da prefeitura há muito tempo a regularização dos quiosques. Existem 98 concessionários explorando a atividade nas praias da cidade. Aguilar Júnior tem se reunido com representantes do MP e do SPU tentando garantir a permanência dos atuais concessionários por mais 10 ou 20 anos, para após este período ser realizada uma licitação.
“A maioria fez grandes investimentos. É preciso dar um tempo para que esses concessionários possam recuperar seus investimentos. Não seria correto suspender as concessões de imediato”, justifica o prefeito. Aguilar Júnior deve se reunir com representantes do SPU e do MP ainda esta semana. O prefeito também está muito preocupado com a possibilidade de grande desemprego caso os quiosques tenham que ser fechados para abertura de licitação.
O problema é antigo e acabou sobrando para o atual prefeito buscar a solução. Caso a prefeitura tenha que atender as exigências do MP, a cidade corre o risco de em caso de licitação, empresas passarem a explorar os quiosques a beira mar. Essa situação pode ocorrer em Praia Grande. Segundo consta, várias empresas, entre elas, cervejarias, vão participar da licitação dos quiosques de Praia Grande. A preocupação do MP é que os quiosqueiros que deixaram seus estabelecimentos, na manhã desta segunda-feira, possam disputar a licitação, prevista para junho, em igualdade de condições com as grandes empresas.