Total de visualizações de página

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Via Orla

Memória

Há sete anos morria o empresário Mauri Diniz.


Mauri Ferreira Diniz foi um dos primeiros empreendedores de Caraguatatuba. Morreu jovem, aos 59 anos, em 20 de julho de 2010. Mauri, conhecido como o “mineirinho”, era uma pessoa simples, de pouco estudo, mas de uma visão empresarial impressionante. Mauri foi um dos maiores incentivadores do desenvolvimento comercial e empresarial de Caraguatatuba.

Nasceu na cidade de Cristina, em Minas Gerais, no dia 6 de maio de 1951, filho dos agricultores Argentino Diniz Ferreira e Geni Guedes Ferreira. Mudou-se para Maria da Fé, onde trabalhou na roça. Veio para Caraguá, ainda jovem, em 1972. Começou por aqui vendendo batatas para alguns restaurantes e bares. Dormia numa velha kombi, onde transportava as batatas. Percebeu que poderia crescer ainda mais e foi trabalhar como motorista no Cerealista Silva, do seu Joaquim Silva, cuja loja ficava na rua Santa Cruz(hoje, Supermercados Silva). 

Em 1975 decidiu se fixar definitivamente em Caraguá. Avaliou que havia espaço para mais mercados na cidade e montou, com sua irmã Áurea, o mercado Beira Mar, na avenida Altino Arantes. Em 1978, criou a Construtora MMDiniz e começou a investir na construção civil. O primeiro prédio, o Maria da Fé, na avenida Castelo Branco, foi homenagem a sua cidade de origem. A partir daí, não parou mais. Investiu na orla da Martin de Sá. 

Construiu vários prédios, entre eles, o Perola, San Diego, Itaparica, o Caraguá Shopping, o Profissional Center. Montou uma imobiliária, investiu no Center Trevo e abriu uma concessionária Fiat, a Marfiauto. Partiu para o ramo da hotelaria, montando o Hotel  Cocanha, na praia da Cocanha. Gostou do ramo e abriu em São José dos Campos, um hotel de primeiro nível, que colocou bandeira Othon. Partiu para novos investimentos, desta vez, em locadoras e revendas de veículos, no Litoral Norte e no Vale.

Em Caraguá, montou em parceria com o Marquinhos Nadib, a Caraguá FM. Mauri era realmente um visionário. Viajava pelo mundo em busca de novos negócios para a região. Apesar do pouco estudo, entendia de economia e do mercado financeiro, como ninguém. Não esbanjava dinheiro, pelo contrário, sempre foi uma pessoa muito simples, apesar de ter muitas posses. Adorava viajar para conhecer novos mundos e oportunidades de negócios.

Casado com a médica Leonor Diniz, tinha três filhas: Michelli, Luciana e Fabiana, uma família que mantinha simplicidade e carinho pelos amigos. Adorava receber os amigos em sua cobertura na Praia Martin de Sá, nas festas de fim de ano ou nos churrascos, realizados aos domingos. Tinha uma relação de verdadeiro amor pelos irmãos, cunhados e sobrinhos e, principalmente, pela mãe dona Geni. Era difícil vê-lo triste ou reclamando da vida. Sempre foi um lutador.


Foi político. Eleito vereador de 97 a 2000, também ocupou a presidência da Câmara de Caraguá. Mauri, nos dias de folga, gostava de caminhar. Subia o morro do Santo Antonio pelo menos duas vezes por semana. Curtia academia e, principalmente, jogar frescobol nas areias da praia Martin de Sá. Em março de 2010, sentiu-se mal, durante uma viagem a Cuba. Fez exames, procurou tratamento dos mais variados, mais infelizmente, não resistiu à doença e veio a falecer. 

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Via Orla

Memória


Seu Ivan comemoraria 90 anos nesta quarta-feira, 19.
Seu Ivan e dona Nadir.

É sempre legal relembrar as pessoas que tiveram participação efetiva na vida dos caraguatatubenses. Hoje, relembro o comerciante Ivan Micheleto Rossi, que por sinal estaria completando 90 anos, nesta quarta-feira. Seu Ivan era o proprietário da Docimar, hoje, administrada pelo seu filho Ivanzinho. A Docimar foi um marco no comércio de nossa cidade. Ivan Micheleto Rossi nasceu em São Paulo em 19 de julho de 1927, mas tornou-se conhecido e famoso em Caraguá e cidades do interior do Estado graças a qualidade e sabor de seus doces e salgados.  Ivan trabalhava como policial rodoviário estadual, antes de chegar em Caraguá. Prestou serviços nas cidades de Mogi Mirim, São Caetano e Jacareí, entre outras. Em 1959, veio trabalhar no destacamento de Caraguatatuba. Morava na rua Bonifácio de Freitas, no centro. Ali, nos fundos de um corredor estreito, começou a fazer doces e salgados. Tudo era uma delícia, entre eles, a queijadinha, a tortinha de Morango e a empadinha de camarão. Virou um point de moradores e turistas. Não foi tudo tão fácil. No início, seu Ivan, colocava os doces numa cesta e os revendia pela cidade e municípios vizinhos. Como os doces eram cada vez mais requisitados, decidiu abrir a Docimar. Os filhos contam que ele aprendeu com o pai, seu Humberto Rossi, o segredo dos doces que produzia artesanalmente, com a ajuda da esposa dona Nadir Rossi. Mais tarde, filhos, genros e noras, passaram a participar do negócio. A Docimar transformou-se em padaria, pizzaria e até restaurante e buffet. Seu Ivan faleceu em 6 de dezembro de 1999, aos 72 anos, aposentado como cabo da Polícia Rodoviária Estadual. Seus filhos Toninho, Ivanzinho, Vânia, Nilma, Clécio e Cláudinho deram continuidade aos negócios da família. Cláudinho e Clécio já faleceram. Dona Nadir também. Seu Ivan teve um papel tão importante na comunidade caraguatatubense, que a Prefeitura, lhe prestou uma homenagem,  colocando seu nome na travessa Mogi das Cruzes, rua que fica em frente a Docimar. 


sexta-feira, 14 de julho de 2017

Via Orla

POLÍTICA

Litoral Norte já tem dois pré-candidatos a deputado estadual.

Há pouco mais de 1 ano para as eleições de outubro de 2018, o Litoral Norte já tem dois pré-candidatos a uma vaga na assembleia legislativa. Outros pré-candidatos devem surgir nos próximos meses, quando também deverá ser definida a reforma política, que poderá alterar como eleger deputado (e também, senadores e vereadores).

Um dos nomes mais cogitados para disputar uma vaga na assembleia é o do ex-prefeito de Caraguá, Antonio Carlos da Silva. Ele tem sido procurado pelo governador Alckmin e pelas lideranças tucanas, mas desde que deixou a prefeitura de sua cidade, tem se dedicado exclusivamente aos seus negócios particulares. Por enquanto, nenhuma confirmação de que o ex-prefeito irá concorrer a uma vaga na assembleia.  

De qualquer maneira, o Litoral Norte não poderá perder a oportunidade de eleger um representante da região. O último deputado eleito pelo Litoral Norte foi Antonio Carlos da Silva, ex-prefeito de Caraguá, em 2006, que dois anos após assumir o mandato deixou o cargo para retornar a prefeitura de sua cidade. 

Nas últimas eleições, a de 2015, região quase elegeu Antonio Carlos da Silva Jr. Ele obteve 54.976 votos, mas ficou apenas como suplente. Assim, o Litoral Norte precisou depender de deputados de outras regiões para apresentar suas reivindicações ao governo do estado. Sem compromissos com as cidades do Litoral Norte, esses deputados pouco conseguiram para a região ao longo de seus mandatos.

O Litoral Norte tinha até outubro do ano passado um total de 233.006 eleitores, número suficiente para eleger até dois representantes da região. Isso, é claro, se os prefeitos, apoiarem nomes da região, ou seja, pensassem mais regionalmente, do que, individualmente. Já está na hora de voltarmos a ter representantes nossos na Assembleia Legislativa. Não podemos mais depender de deputados eleitos por outras regiões, mesmo, do Vale do Paraíba.

Colucci

Os dois pré-candidatos, por enquanto, são Antonio Colucci, ex-prefeito de Ilhabela e, o ex-vereador  Neto Bota, atual secretário de Governo de Caraguá. Colucci, de 56 anos, deverá disputar a eleição pelo PSB. Tem um curriculum político respeitável: foi duas vezes prefeito da Ilha, duas vezes presidente da Região Metropolitana do Vale do Paraíba, três vezes presidente da Aprecesp(que reúne as prefeituras estâncias do estado) e, por  sete anos foi presidente da Amprogás(reune as cidades que possuem terminais ou exploração de gás).


Colucci é formado em Odontologia, Saúde Pública, Administração Hospitalar e foi oficial da Polícia Militar por 22 anos. Foi prefeito entre 2009 e 2016, fez uma excelente administração, mas não conseguiu eleger seu sucessor. Sua administração foi reconhecida pelo Conselho Federal de Administração, de Brasília, em fevereiro último,  como a melhor cidade do país, entre os 5 mil municípios avaliados administrativamente.

A maior conquista de Colucci, no entanto, foi ampliar o faturamento com os royalties do petróleo e gás. Em 2009 quando ele assumiu a prefeitura o orçamento da prefeitura era de R$ 72 milhões, graças aos seu trabalho junto a Amprogás, em 2013, o orçamento passou para R$ 150 milhões. Este ano, o orçamento da ilha é de R$ 600 milhões.  Ilhabela é a cidade que mais fatura royalties em nossa região, graças ao trabalho desenvolvido pelo prefeito e sua equipe.  

Colucci já disputou em 2006 uma vaga na assembleia legislativa, pelo PPS, obteve 8 mil votos, 5 mil deles em Ilhabela. Na ilha ele conquistou 53% dos votos válidos naquela eleição.  Ele lembra que naquela ocasião saiu candidato apenas para ajudar o partido. Hoje, segundo ele, tem mais “bagagem política” e condições de se eleger, principalmente, se contar com apoio dos eleitores das demais cidades da região.

Se eleito for, Colucci, pretende defender o turismo regional, que segundo ele, poderá se transformar no carro chefe do desenvolvimento regional, sem deixar de lado as questões ligadas a saúde e segurança pública. Colucci aguarda a definição da reforma eleitoral para saber se irá ter espaço no PSB para disputar as eleições de 2018. Vontade não falta.

Neto Bota

José Mendes de Souza Neto, o Neto Bota, tem 37 anos. É formado em Educação Física e foi vereador por duas vezes em Caraguá, sendo inclusive, presidente da Câmara. Neto Bota é neto de Sebastião Mendes de Souza, uma das tradicionais famílias caiçaras e filho de Tião Bota, ex-vereador e Cristina Bota.

Neto Bota era um político em crescente ascensão até julho do ano passado, quando seu nome era cogitado como um dos prováveis candidatos à sucessão do prefeito Antonio Carlos da Silva.  Na convenção, o PSDB optou em escolher o engenheiro Gilson Mendes. Contrariado, Neto Bota não saiu candidato à reeleição e nem participou da campanha de Gilson. Pelo contrário, na reta final da campanha, passou a apoiar o candidato Aguilar Jr, que acabou sendo eleito prefeito.

Nos primeiros seis meses deste ano, Neto Bota se dedicou a trabalhar na assessoria do deputado federal Carlos Sampaio (PSDB). Neto Bota deixou o PSDB. Atualmente, está sem partido. Esta semana, ele assumiu a secretária de Governo de Aguilar Jr, com a missão de viabilizar o plano de governo elaborado pelo atual prefeito. Seu irmão Cristian é secretário de Turismo e uma das pessoas mais queridas da cidade.

Neto Bota tem uma estrutura política das mais eficientes da região. Sua mãe Cristina é uma das pessoas mais influentes junto às famílias caraguatatubenses, principalmente, aquelas que vivem nos bairros mais afastados. Neto Bota, como vereador durante oito anos, ampliou seu relacionamento político na região. Se contar com o apoio de Aguilar Jr e de vereadores poderá se eleger, desde que, seja filiado a um partido pequeno. Segundo consta, Neto Bota tem sido procurado por vários partidos, mais ainda não definiu em qual deles irá se filiar.


Tudo indica que sua indicação para secretária de Governo tenha como objetivo, não apenas a viabilização do plano de governo de Aguilar Jr, mais também, garantir maior visibilidade política ao seu nome, para que nesses 15 meses que antecedem as eleições, Neto Bota possa se transformar em um candidato com boas condições de eleger-se deputado estadual. Segundo consta, se eleito for irá trabalhar pela melhoria do Turismo, Saúde e Esporte na região. Neto Bota retorna com tudo à vida política.  

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Via Orla


Anistia

Programa Regulariza Caraguá  

Foi muito legal a iniciativa da Prefeitura de Caraguá em lançar o programa “Regulariza Caraguatatuba”. O programa contempla a regularização Fundiária, do Comércio, Tributos, Ambulantes, Quiosques e Obras. Milhares de contribuintes estão sendo beneficiados. Para se ter uma ideia, cerca de 400 pessoas, diariamente, tem procurado a prefeitura para regularizar imóveis, comércio e taxas como o IPTU.
O programa está possibilitando que muitos regularizem seus imóveis, seus comércios e o pagamento de taxas e tributos devidos, de maneira parcelada. A iniciativa está garantindo tranquilidade a muitos contribuintes e, é claro, gerando emprego para muitos profissionais e recursos para a prefeitura.
A campanha teve início com a Anistia de Tributos, com início imediato, com prazo de 1 a 31 de julho. Para facilitar o atendimento o contribuinte deve procurar o setor de Dívida Ativa no Paço Municipal, com a identificação do imóvel e/ou número de inscrição, acompanhado de cópia de RG e CPF, além de requerimento preenchido no local solicitando o benefício.
Em relação aos Tributos, a novidade é o parcelamento que poderá ser feito em 24 vezes para o IPTU e, 6 vezes nos valores dos honorários advocatícios (sucumbência), que em anos anteriores, só podia ser pago em parcela única. Hoje, o valor estimado pela Dívida Ativa do município.
Vale destacar que os descontos em juros e multas são de forma escalonada conforme número de parcelas. Caso o contribuinte queira pagar à vista, o desconto é de 100%; até 3 parcelas – 90%; até 6 parcelas – 80%; até 12 parcelas – 60%; e até 24 parcelas – 40%.
A regularização fundiária também está sendo feita. Com a regularização, o proprietário terá a titularidade do imóvel, além dos direitos à água e luz, bem como outros serviços públicos.
Com a regularização fundiária, o morador que tem seu imóvel em regime de posse, passará a ter uma escritura definitiva, proporcionando segurança jurídica, valorização do imóvel e mais qualidade de vida.
Vale ressaltar que a prefeitura também está disponibilizando a planta popular tanto para a regularização como para novas obras, ou seja, quem pretende construir uma casa e atender aos critérios exigidos, é só procurar a secretaria de Urbanismo.

Comércio
Outra iniciativa das mais elogiáveis é a regularização do Comércio. A atual administração foi muito feliz em promover a regularização dos comércios da cidade. A própria prefeitura temem mãos dados que comprovam que cerca de 80% dos comércios da cidade estão em situação irregular.  Desta forma, antes de aplicar qualquer sanção, a prefeitura proporcionará aos comerciantes que regularizem seus estabelecimentos. Apesar da situação econômica e financeira do país, a maioria dos comerciantes pretende aproveitar a oportunidade dada pela prefeitura.
Acho que a prefeitura deveria estender mais o prazo do programa, para permitir que mais contribuintes possam ser beneficiados. Apesar de toda divulgação feita pela prefeitura e da van que fica na praça principal, muita gente ainda desconhece o programa, infelizmente, as pessoas mais carentes. Os vereadores, responsáveis pela aprovação do programa, devem cobrar um prazo maior para o programa, caso contrário, somente quem tem recursos, no momento, poderá usufruir da oportunidade. Todas as informações sobre o “Regulariza Caraguatatuba” podem ser obtidas no site da prefeitura  www.caraguatatuba.sp.gov.br .

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Via Orla

Polícia

Polícia ainda mantém em sigilo detalhes sobre traficante preso em Caraguá.
Segundo informações, nada pode ser revelado porque as investigações prosseguem.   
A megaoperação feita pela polícia na Cracolândia em São Paulo ganhou destaque nacional. Entre as 38 pessoas presas pelo Denarc(Departamento de Narcóticos) está Fábio Lucas dos Santos, o Fabinho FB, preso em um condomínio de luxo, em Caraguá. Fabinho é acusado de ser o principal fornecedor de drogas na Cracolândia, junto com outro traficante Leandro Monteiro Moja, o Léo do Moinho. Os dois juntos movimentavam cerca de R$ 8 milhões por mês com a venda de drogas na Cracolândia.
Não se consegue obter informações sobre o tal do Fabinho FB, maior fornecedor de drogas da Cracolândia. Onde ele vivia? O que fazia em Caraguá? Há quanto tempo estava na cidade? A prisão de Fabinho aconteceu na manhã do dia 21 de maio, um domingo, em Caraguá, segundo informações extraoficiais, no Condomínio Costa Verde, um dos mais luxuosos da cidade, onde ele vivia há um ano. 

A prisão dele foi efetuada pela equipe da 6ª Dise, comandada pelo delegado Carlos Batista. Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública, mais detalhes sobre o caso não podem ser informados porque as investigações ainda estão em andamento.
Tentamos durante vários dias falar com o delegado Carlos Batista para esclarecer a prisão de FB em Caraguá. Segundo integrantes de sua equipe, ele estaria ainda trabalhando no caso. As equipes da Dise ainda fazem diligencias em busca de traficantes. A polícia de Caraguá e, da região, não teve conhecimento e nem foi informada sobre a ação da Dise( de São Paulo) em Caraguá.
A operação para identificar e prender os traficantes que abastecem a Cracolândia teve início em agosto de 2016. Desde 2013, o PCC controlava o tráfico naquela região. O setor de UTI(Unidade de Inteligência Policial) conseguiu interceptar ligações telefônicas dos traficantes, infiltrar policiais entre os usuários de drogas, além de filmar a atuação dos traficantes. As investigações prosseguem na capital e em outras cidades, segundo a assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública. Dos 70 mandados de prisão, apenas 38 tinham sido efetuados até o o mes passado. A polícia paulista continua agindo no Litoral Norte, como foi o caso da prisão da jornalista Luana Don, em Ilhabela, sinal de novas prisões devem ocorrer.   
O outro “FB”
Nas redes sociais não foi possível encontrar nenhuma informação sobre Fábio Lucas dos Santos, o Fabinho FB, preso em Caraguá, no mês de maio. Nada, nenhuma prisão, nenhum envolvimento com a criminalidade. Encontramos outro Fabinho, o Fabiano Atanázio da Silva, também conhecido como “Fabinho FB”. Essa é justamente a dúvida que a gente pretendia tirar com o delegado Carlos Batista. Será que prenderam novamente o Fabiano?

O outro FB. 
Fabiano Atanázio da Silva, o “Fabinho FB”, na época um dos principais homens do CV(Comando Vermelho), foi preso em 2012, em uma mansão em Campos do Jordão, durante uma operação secreta realizada pela polícia do Rio de Janeiro, em São Paulo. Este Fabinho comandava a venda de drogas em três favelas do Rio de Janeiro. Este “Fabinho” era um dos principais elementos de ligação entre o Comando Vermelho e o Primeiro Comando da Capital(PCC) e tinha ligações com Fernandinho Beira Mar. Este Fabinho mantinha casa de veraneio em uma das cidades do litoral de São Paulo. Quando de sua prisão, Fabinho FB teria sido levado para uma prisão de segurança máxima. Não se tem notícia de sua fuga. Só mesmo a polícia para tirar a dúvida se o “Fabinho” preso em Caraguá é o mesmo “Fabinho” que havia sido preso em 2012, em Campos do Jordão. trata-se ou não da mesma pessoa?  

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Via Orla

Meio Ambiente

Zoneamento Ecológico-Econômico do Litoral Norte continua parado aguardando assinatura de Alckmin

Recebi release do Instituto Conservação Costeira que revela muita preocupação com a demora do governo estadual em assinar o novo Zoneamento Ecológico-Econômico do Litoral Norte. Segundo o instituto a demora permite invasões em áreas preservadas e muita pressão do setor imobiliário. A situação é bem preocupante para os ambientalistas.

A proposta técnica de revisão do Zoneamento Ecológico-Econômico (ZZE) do Litoral Norte de São Paulo, que objetiva a ampliação de áreas protegidas e a definição de regras mais rígidas para a construção de novos empreendimentos imobiliários nas praias com o metro quadrado mais caro do país, foi aprovada em dezembro do ano passado, mas mesmo após quase seis meses de sua aprovação, o decreto ainda aguarda assinatura do governador Geraldo Alckmin (PSDB).

O trabalho é resultado de seis anos de discussões técnicas sobre os ajustes necessários para garantir o desenvolvimento sustentável da região, com a participação do poder público (prefeituras dos quatro municípios e Secretaria Estadual do Meio Ambiente), e entidades da sociedade civil. A proposta foi exaustivamente discutida nesses seis anos por meio de dezenas de reuniões, consultas públicas e audiências públicas. Após todo esse processo, as propostas foram submetidas para deliberação final do Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema).

A revisão técnica do zoneamento buscou encontrar respostas para as diferentes demandas dos atores sociais em torno das questões de desenvolvimento socioeconômico e conservação ambiental. Teve como resultado um olhar especial para questões como a preservação das unidades de conservação, o respeito às comunidades tradicionais, a proteção e manejo dos recursos marinhos, a sustentabilidade das atividades do setor náutico.

Invasões 

Enquanto o documento não é assinado, a região, que ainda concentra os últimos remanescentes de mata atlântica no Brasil, continua sofrendo com invasões em áreas de risco e de proteção ambiental e intensa pressão imobiliária. Além disso, todo processo de regularização fundiária está parado aguardando as definições do novo decreto.
Somente no município de São Sebastião, existem 8.623 assentamentos precários, sendo que 58% estão localizados na região sul, a mais valorizada do litoral paulista, segundo levantamento do IBGE em 2010. A situação vem se agravando a cada dia, justamente pela ausência de regularização fundiária, que depende da aprovação do decreto.

No mês passado, o Instituto Conservação Costeira (ICC), que integrou e acompanhou todo o processo, encaminhou ofício ao secretário adjunto do governo do Estado de São Paulo, Moacir Rossetti, solicitando seu empenho junto ao governador Geraldo Alckmin, para cobrar urgência na aprovação do decreto. No ofício, também endereçado ao secretário estadual do Meio Ambiente, Ricardo Salles, 21 entidades representantes da região do sul de São Sebastião subescreveram o documento. “O pedido se faz necessário para fins de uma decisão terminativa do exaustivo e saturado processo de revisão do ZEE/LN”, diz o ofício.


Por meio de nota, a Secretaria Estadual do Meio Ambiente informou que todo o trâmite do projeto de Zonenamento Ecológico-Econômico do Litoral Norte já foi concluído pela pasta e que a proposta já foi aprovada pelo Conselho do Meio Ambiente do Estado de São Paulo (Consema) em dezembro do ano passado. A assessoria de imprensa do Palácio dos Bandeirantes informou que todo o processo está sendo analisado pela Assessoria Técnica do Gabinete (ATG) para revisar o conteúdo das reuniões, audiências e consultas públicas, para posteriormente ser transformado em decreto e enviado para assinatura de Alckmin. A assessoria não informou sobre uma previsão de quando isso poderá ocorrer.

sábado, 8 de julho de 2017

Via Orla

Polícia

A história da "Musa do Crime" presa em Ilhabela.


Uma prisão feita esta semana em Ilhabela foi destaque em todos os telejornais, jornais, revistas e mídias sociais. E, não era para menos. Tratava-se da prisão de Luana de Almeida Domingos, de 32 anos, jornalista e advogada, bonita, corpo escultural e uma das mulheres mais procuradas do país desde 2016, por suposto envolvimento com o crime organizado. A recompensa pela sua captura era de R$ 50 mil.

Luana era conhecida artisticamente como Luana Don, por ter trabalhado como repórter do programa de Luciana Gimenez, o Superpop, na RedeTV. Segundo a polícia, desde 2015, Luana atuava como advogada do PCC. Luana vivia há sete meses em Ilhabela, em uma casa avaliada em R$ 2 milhões, imóvel que pertencia a sua família.

Mesmo sendo uma das mulheres mais procuradas pela polícia paulista e carioca, Luana mantinha uma vida regada a festas e muito luxo na ilha, sem levantar qualquer suspeita. Difícil entender como uma mulher de classe média alta, formada advogada, bela e culta foi se envolver como o crime organizado. 

Segundo informações da polícia, Luana era conhecida pelo codinome “Doutora Carla” e integrava uma cédula do PCC chamada de “sintonia dos gravatas”, responsável por passar mensagens e informações aos líderes da facção durante as visitas feitas aos presídios. Segundo consta, Luana usava o próprio corpo, principalmente, os seios para escrever as mensagens. Presa em Ilhabela, Luana foi transferida para o presídio feminino de Tupi Paulista, onde aguardará seu julgamento, por corrupção ativa, organização criminosa e lavagem de dinheiro.