Total de visualizações de página

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Via Orla

Eleições 2016

Pré-candidatos começam a se apresentar na cidade.

       
A campanha política nem bem começou e os pré-candidatos a prefeito começam a se apresentar em Caraguá. O quadro ainda não é oficial, mais sete nomes já se apresentam como pré-candidatos. É possível que um ou outro nome apareça até o início da campanha. Recentemente, o Portal Tamoios News, reuniu um grupo de candidatos na sede da Associação Comercial e Empresarial de Caraguá para entrevistá-los sobre suas propostas para a cidade.

Lá estiveram Wenceslau de Souza Neto, o Lelau (PMB); José Ernesto Servidei, (SD); José Pereira de Aguilar (PMDB); Thífany Félix (PSOL); Álvaro Alencar (PPL); e Gilson Mendes (PSDB). O pré-candidato Nivaldo Alves (PR), foi convidado, mas acabou não participando das entrevistas. De todos os pré-candidatos apenas um é ainda desconhecido dos caraguatatubenses: Thifany Féliz, candidata do PSOL. Dois candidatos vão disputar pela primeira vez uma eleição: o engenheiro Gilson Mendes (PSDB) e o médico e empresário José Ernesto Servidei(SD). Os demais militam na política já há um bom tempo.

Aguilar já foi vereador, vice-prefeito e prefeito, como candidato perdeu as duas últimas eleições para o atual prefeito Antonio Carlos. Segundo consta, juridicamente, dificilmente poderá disputar as eleições, o que poderá leva-lo a indicar sua esposa dona Rose ou o filho, o vereador Tato. Álvaro Alencar já foi vereador e disputou eleições para prefeito sem sucesso. Passou por vários partidos, entre eles, PMDB, PDT e PT e, agora está no PPL. Nivaldo Alves que já foi vereador, tenta se eleger prefeito. Lelau foi vereador pelo PT e, recentemente, migrou para o PMB.


As novidades


Thífany Féliz

A candidata do PSOL, Thífany Féliz, cujo nome verdadeiro é Alberto Feliz Guimarães, tem 45 anos, nasceu em Ubatuba, é solteira, tem o ensino médio completo e apesar de ser formada como auxiliar de enfermagem, trabalha como corretora de imóveis, seguros, títulos e valores. É a maior novidade nas eleições deste ano. Não será sua primeira disputa eleitoral. Thífany já foi candidata a deputada estadual pelo PSB nas eleições de 2014 quando não obteve nenhum voto. Ela que mora atualmente em Caraguá, tem muitos anos na militância LGTB.  Em São Paulo, foi secretária-geral do Fórum Municipal de Travestis, Transexuais e Homens Trans de São Paulo (FMTTSP) e atualmente tornou-se vice-presidente do PSOL e Coordenadora dos Setoriais LGBT municipal e estadual do PSOL. Conta com apoio de Luciana Genro e do deputado federal Jean Wyllys. 

As novidades são o engenheiro Gilson Mendes, o médico José Ernesto e a transexual Thífany Féliz. Gilson Mendes de Souza foi indicado pelo prefeito Antonio Carlos e terá como candidato a vice-prefeito o vereador Baduqinha. Gilson é de tradicional família caraguatatubense, filho do seu Irineu Mendes e da professora dona Cidinha. Ele também é sobrinho do ex-prefeito Jair Nunes de Souza, um dos queridos da cidade, já falecido. Gilson trabalha há muitos anos na prefeitura e conhece como ninguém as necessidades da cidade. Praticamente todas as obras executadas nos últimos 20 anos teve a sua assinatura.
Gilson Mendes e Antonio Carlos.

Como disse anteriormente, Gilson ainda não é muito conhecido dos eleitores porque se dedica apenas ao trabalho e não é visto em eventos sociais. Agora, com a indicação de seu nome pelo prefeito Antonio Carlos, começa a frequentar os bairros em contato direto com os moradores das diversas regiões da cidade. Na campanha, onde contará com a participação de Antonio Carlos, o maior líder político da cidade nos últimos 20 anos, Gilson será melhor conhecido pelos moradores e eleitores. Baduquinha também vai ajudar muito para que os eleitores conheçam o Gilson Mendes. É um técnico que, se assumir a prefeitura, dará continuidade a filosofia do atual prefeito, de sempre se fazer o melhor por Caraguá. Neste momento, apesar de não termos nenhuma pesquisa oficial, tudo indica, que Gilson será um dos candidatos mais fortes nas eleições de outubro.

Zé Ernesto
José Ernesto é médico oftalmologista e empresário no setor de construção civil. Ainda não se sabe quem será o seu candidato a vice-prefeito. Tem parentesco distante com o ex-vice-presidente da república, José Alencar. Zé Ernesto como ele é carinhosamente conhecido tem investido muito em sua campanha. Sua foto pode ser vista nas traseiras dos ônibus, nos jornais, nas redes sociais e até mesmo na Tv. Corre contra o tempo para obter bons índices na pesquisa eleitoral, para com isso, buscar apoio do empresariado e até mesmo parcerias com outros candidatos para disputar com chances as eleições de outubro. Tem feito reuniões nos bairros para ficar mais popular junto aos moradores e eleitores.  





Memória

Nas eleições de 2012, quatro candidatos disputaram as eleições: Antonio Carlos, que foi eleito com 29.048 votos (54,15% dos votos); Aguilar que teve 15.960 votos (29,75% dos votos); Rodolfo Fernandes que teve 4.591 votos (8,56%) e Kazon que teve 4.048 votos(7,55%). A cidade tinha cadastrado 77.608 eleitores. Votaram 58.720 eleitores. Votos válidos foram 53.647. Votaram em branco 2.265 eleitores. Anularam o voto 2.808 eleitores. Não compareceram para votar 14.481 (14,48% dos eleitores). O vereador mais votado foi Neto Bota(PSDB) com 1984 votos( 3, 66% dos votos). O candidato eleito vereador com menor números de votos foi Ceará da Adega (PR), eleito com 423 votos(0,78% dos votos).  

quarta-feira, 25 de maio de 2016

Via Orla

Taxas

Taxa de marinha é reajustada em 200%

Quem tem imóvel a beira mar aqui no Litoral Norte anda bastante assustado com o reajuste da Taxa de Marinha. A taxa é cobrada dos proprietários de imóveis que ocupam terrenos da União. Com base na média de marés altas e baixas foi traçada uma linha imaginária que corta a costa brasileira. A partir dessa linha, no sentido do litoral brasileiro, todo terreno que estiver a 33 metros da preamar média será considerado da União. Também são de domínio da União terrenos que se formaram a partir da linha de preamar do ano de 1831 em direção ao continente, assim como os aterros, denominados acrescidos de marinha. Aqui no Litoral de São Paulo o reajuste chegou a 200%.


Existem três tipos de taxas: A taxa pelo uso do terreno é anual, paga em sete prestações, e recebe alterações anuais de acordo com a mudança no valor da planta genérica dos imóveis em cada município;  no caso de moradores ocupantes de terrenos de marinha, o percentual para o cálculo é de 2% ou de 5% (casos dos terrenos cadastrados na SPU depois da Constituição de 1988). Para foreiro esse percentual é menor: 0,6%; e, nos dois casos – ocupação e foro – cobra-se, também, taxa na venda do imóvel: o laudêmio, que é calculado em cima de 5% do valor do imóvel.


Moradores de cidades litorâneas de todo o Brasil, que recolhem a taxa anualmente, estão se mobilizando para tentar frear o reajuste judicialmente. Em algumas cidades do Espírito Santo, o reajuste chegou a 500% nas taxas dos terrenos de marinha cobradas pela União, neste mês de maio. Acontece que a lei responsável por simplificar e baratear algumas das cobranças, aprovada em 2015 no Congresso, também determinou que os reajustes para cada imóvel seriam feitos a partir da Planta de Valores Genéricos elaborada pelas prefeituras.

Em entrevista concedida a imprensa, o superintendente da Secretaria de Patrimônio da União (SPU) no estado, Magno Pires, respondeu que os reajustes anuais da SPU/ES se fazem valer a partir da data de vencimento das quotas anuais, ou seja, 10 de junho próximo. Esse aumento das cobranças incide sobre cerca de 60 mil imóveis no estado, entre pessoas físicas e jurídicas. São taxas de ocupação e foro aplicados nos 14 municípios litorâneos capixabas.

“O reajuste das taxas de terrenos de marinha, correspondentes a foros e taxas de ocupação, são reajustados anualmente conforme dispõe o Decreto Lei 2398/87. O reajuste anual é baseado na variação anual dos índices oficiais do IGPM/IPCAE do IBGE. Para este ano de 2016, foi adotado o índice anual do IGPM, que foi de 10,54%”, argumentou Pires.


Aqui no Litoral Norte, advogados que representam condomínios situados à beira mar já estariam se mobilizando para tentar barrar o reajuste em imóveis de Ubatuba, Ilhabela e São Sebastião situados em terreno de marinha. Também estaria sido feita uma pressão muito grande junto aos deputados federais ligados à região para tentarem fazer com que o reajuste seja suspenso pela União até que uma nova lei seja aprovada no congresso.

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Via Orla

Memória

Há 10 anos Vereador de Caraguá sofria atentado durante churrasco em um sítio.

Ainda relembrando o mês de maio de 2006, Há dez anos atrás, um vereador de Caraguá, Germinio de Souza, foi vítima de um atentado que, até hoje, continua inexplicado. Segundo consta, foi o primeiro atentado ocorrido contra um representante do legislativo caraguatatubense na história política da cidade. Dez anos depois, não se sabe se o caso foi arquivado e nem, quem foram os autores do atentado sofrido pelo vereador.

Foi no dia 15 de maio de 2006, o então vereador Germinio de Souza (PPS), de Caraguá, na época com 39 anos, sofreu um atentado durante um churrasco realizado em seu sítio, no bairro do Rio Claro, região sul da cidade. Souza foi atingido com um tiro na boca, que destruiu sua o maxilar e parte da arcada dentária.

O sítio do vereador fica em uma região rural, distante do perímetro urbano e de iluminação reduzida. Souza, que ocupava o cargo de primeiro secretário da mesa diretora da Câmara, participava de um churrasco com a mulher Lúcia e amigos, quando ocorreu o atentado.

Por volta das 21h, de um matagal, foram feitos vários disparos em direção ao vereador, segundo relato feito à polícia, na época, pelo caseiro do sítio. Germinio teria sido atingido quando corria em direção à casa junto com as outras pessoas que participavam do churrasco. 


Os tiros continuaram e durante os disparos as mulheres procuraram proteção na cozinha, enquanto os homens permaneceram em um dos quartos do sítio. Segundo o caseiro, assustados, todos permaneceram cerca de 40 minutos dentro da casa antes de deixarem o sítio para socorrer o vereador por medo que os atiradores estivessem esperando o grupo do lado de fora. 

Germinio, ferido na boca, sangrava muito. Nenhuma das outras pessoas se feriram no atentado. Portas e janelas da casa ficaram com as marcas das balas. Um gol vermelho, que pertenceria a um amigo de Germinio, foi atingido por pelo menos cinco tiros de pistolas 765 e 470. O carro, foi recolhido pela perícia técnica, para investigação.

A então delegada titular de Caraguá, Elizabeth Maluf Zago, ficou responsável pelas investigações. Na ocasião, ela descartou qualquer ligação entre o atentado praticado contra o vereador com as ações feitas pelo PCC na região. Segundo ela, investigadores foram ao sítio para tentar encontrar pistas sobre os autores do atentado. A polícia levantou suspeita de que pelos menos quatro pessoas teriam feito os disparos.

A delegada também tentou identificar os autores das ligações anônimas feitas à Câmara nos dois dias que antecederam o ataque ao vereador. Ligações anônimas feitas à câmara ameaçava de morte alguns vereadores. A polícia obteve os números dos telefones de onde partiram as ameaças e trabalhou no cruzamento de dados. Aurimar Mansano (PTB) e Wilson Gobetti (PPS) foram os vereadores que tinham recebido ameaças de morte por telefone.


O atentado sofrido pelo vereador ganhou destaque na cidade e região. A Câmara suspendeu as sessões, porque vereadores e funcionários ficaram bastante assustados e temerosos com o ocorrido. 

Germinio nunca conseguiu entender o motivo do atentado. Após alguns dias internado, ele passou por cirurgias e como tempo, se recuperou bem. Germinio, apesar de ser pessoa muito conhecida e querida na cidade, resolveu deixar a política e hoje atua com o empresário. Segundo ele, o caso teria sido arquivado. 


sábado, 21 de maio de 2016

Via Orla

Memória

O ataque ao jornal Imprensa Livre em São Sebastião

Há cerca de dez anos, pela primeira vez na história da imprensa do Litoral Norte, um jornal seria vítima de um atentado. Foi na madrugada de 18 de maio de 2006, a vítima foi jornal Imprensa Livre, de São Sebastião, único jornal diário da região. Até hoje, não foi apurado se o ataque foi orquestrado por políticos que sofriam críticas do jornal ou por integrantes do PCC.

O ataque ocorreu à sede do jornal, na região central de São Sebastião. Um grupo de homens armados, uns portando calibre 12, invadiu o prédio pelo parque gráfico e rendeu os funcionários, inclusive da redação. Os homens jogaram gasolina no parque gráfico e incendiaram uma impressora e toda a edição do jornal que seria distribuída naquela manhã.

Por diversas vezes os bandidos gritavam advertências para que o jornal não divulgasse informações sobre o PCC (Primeiro Comando da Capital), na verdade, talvez para despistar a real intenção dos responsáveis pelo ato.  A própria direção do jornal não acreditava que o atentado tenha ligação com as últimas investidas patrocinadas pela facção criminosa em várias cidades do estado de São Paulo.

Na investida, os bandidos agrediram com empurrões e chutes quatro gráficos e um diagramador do jornal. Durante o ataque, os marginais obrigaram os funcionários a deitar no chão da gráfica e apontaram as armas para a cabeça deles. Depois de atearem fogo nas máquinas e explodirem um coquetel molotov, os bandidos fugiram a pé. 

A direção do jornal comunicou, na época, aos seus eleitores que não seria um atentado terrorista, como o sofrido na madrugada do dia 18 daquele ano, que iria calar a sua linha editorial, sempre pautada na busca da verdade e no trabalho jornalístico da mais absoluta imparcialidade. O Sindicato dos Jornalistas, também na ocasião, se manifestou com uma nota de repúdio ao atentado sofrido pelo jornal. 

Dez anos depois, não sei que fim teve as investigações da polícia. O Imprensa Livre, infelizmente, encerrou suas atividades há alguns anos atrás. O registro do atentado fica na memória daqueles que trabalharam no Imprensa Livre, que foi o único jornal diário da região.   




 

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Via Orla


Turismo

A polêmica dos Mirantes. 


O prefeito de Ilhabela Toninho Colucci quer implantar um "mirante" em sua cidade. A proposta de Colucci dividiu os ilhabelenses. Gente contra e gente a favor. A ideia de Colucci é criar novos atrativos turísticos em Ilhabela. E, precisa? Eu, particularmente, acredito que, mesmo em cidades praianas e paradisíacas, como é o caso de Ilhabela, novas atrações turísticas são sempre bem vindas, desde que, sejam respeitadas as legislações locais e o meio ambiente.

O próprio Colucci utilizou uma justificativa bem interessante para sua iniciativa: o Cristo Redentor causou muita polêmica no Rio de Janeiro quando de sua construção e, hoje, é uma das maiores atrações da cidade, que também tem praias maravilhosas.  Em recente reportagem, veiculada na tv, vi que a maioria dos moradores se posicionou contra, entre eles, o Carlos Nunes, do Instituto Ilhabela Sustentável. Para Nunes, o projeto de Ilhabela vai contra o Plano Diretor da cidade que só permite obras de até 8 metros de altura. Para Colucci, a construção do mirante seria uma "excepcionalidade".

Em Ilhabela, a prefeitura pagou R$ 395 mil ao arquiteto renomado Ruy Ohtake para desenvolver o projeto de um mirante no alto do Morro da Cruz, próximo a praia do Perequê. O mirante teria 25 metros de altura e um restaurante em seu topo. A obra deve ficar em R$ 3 milhões. Dinheiro não tem sido problema para a prefeitura de Ilhabela, no ano passado a cidade recebeu mais de R$ 150 milhões em royalties do petróleo. Em recente reportagem, veiculada na tv, vi que a maioria dos moradores se posicionou contra, entre eles, o Carlos Nunes, do Instituto Ilhabela Sustentável. Para Nunes, o projeto de Ilhabela vai contra o Plano Diretor da cidade que só permite obras de até 8 metros de altura. Para Colucci, a construção do mirante seria uma "excepcionalidade".

Entendo que, não dá para aceitar argumentos simples como " não precisamos de empreendimentos, pois nossos principais atrativos são as praias, o mar e o sol". Entendo que,  somente poderia se posicionar contra o investimento,  caso a obra provocasse danos irreparáveis ao meio ambiente ou desrespeitasse as leis locais. Novos atrativos são fundamentais para o incremento do turismo. A mesma coisa ocorreu com a imagem do Santo Antonio, no alto do morro do mesmo nome, em Caraguá. A estátua do santo é um dos pontos mais visitados de Caraguá, apesar da imagem(características) do santo deixar muito a desejar.

Caraguá também pode ter um mirante no alto do morro do Camaroeiro. A prefeitura precisou fazer obras emergenciais no morro para conter erosões, que colocavam em risco a vida dos moradores do  bairro. A retirada da terra no topo do morro, deixou um clareira. A ideia de Antonio Carlos é realizar algum projeto diferente lá em cima. Falou-se em teleférico, em um templo, em uma praça com mirante...Por enquanto, não foi divulgado nada por parte da prefeitura. Vários arquitetos foram consultados. Se não tiver nenhum problema ambiental, algo tem que ser feito lá em cima. Quem conhece o Antonio Carlos sabe que ele gosta de coisa diferente e bem feita.  Interessante é que tudo que ele, Antonio Carlos faz, o Colucci vai atrás...Vamos aguardar... 
   
Na Ilha ou em Caraguá é evidente que temos que preservar nossas atrações naturais, mas não podemos nos esquecer que nossas cidades vivem e dependem do turismo. Vejo que as prefeituras estão valorizando muito nossas tradições antigas como as festas da Tainha, do Camarão, a Congada, os santos padroeiros...Não podemos ser egoístas e pensar apenas como morador ou caiçara. Temos que conviver com o crescimento e o desenvolvimento. Também tenho saudades da Caraguá antiga, que era tranquila, pacata e com poucos moradores, mas nessa época era muito difícil encontrar emprego; e, quem tinha condições financeiras ia estudar fora, quem não tinha, simplesmente parava de estudar por falta de opções. Hoje, existem oportunidades de estudo e de trabalho para todos.

Temos que aceitar que nossas cidades cresceram e, muito, nos últimos anos. Em Caraguá, por exemplo, chegam em média seis famílias de fora por dia. Nossa rede hoteleira, nossos restaurantes, enfim que todo o nosso comércio, vive e depende do turismo.  As prefeitura também dependem do turismo. Com o turismo forte, fica forte o comércio, que gera empregos para nossos moradores e aumenta a arrecadação para as prefeituras. E,nossos moradores, também dependem do turismo para trabalhar e melhorar suas condições de vida.

Não podemos depender apenas de nossas atrações naturais, temos que investir em novas atrações, como fez o prefeito de Caraguá, o Antonio Carlos, quando construiu o teatro Mário Covas. Lembro que o teatro era chamado por muitos, principalmente, os opositores do prefeito, de "elefante branco". Há muito tempo,desde de sua inauguração, o Teatro Mário Covas é considerado um dos mais modernos teatros do país e incentiva a cultura local e regional. Elogiado por todos os artistas que lá se apresentam, o teatro se transformou, inclusive, numa atração turística. Gente de toda parte do país visita o prédio, cujo projeto não foi feito por nenhum Oscar Niemeyier, mas pelo engenheiro da cidade Pedro Henrique Vieira.

Não podemos nos esquecer que com a melhoria da rodovia dos Tamoios cresceu o número de turistas em nossas cidades. A rodovia Tamoios oferece mais segurança e conforto para quem a utiliza. A duplicação da rodovia foi fundamental para o crescimento do nosso turismo. Quem gosta de viajar a turismo sabe que quanto melhor e confortável for o acesso rodoviário, mais segura fica a viagem. Cada vez mais turistas estarão em nossas cidades, principalmente, se as prefeituras investirem mais na  divulgação de seus eventos e atrações. Ilhabela e São Sebastião investem muito na divulgação. Caraguá deve fazer o mesmo. Ubatuba também. A maioria dos eventos promovidos em nossa região é bem feito e não deixa nada a desejar. Temos apenas que divulgá~los mais, principalmente, na capital e cidades do interior.

Podem reparar que nos últimos meses foi assustador o crescimento do número de turistas em Ilhabela e Ubatuba. Ilhabela teve e tem problemas na travessia das balsas que não comportam mais o grande número de veículos nos feriados e fins de semana. É preciso melhor o serviço de balsas. Ubatuba tem recebido turistas o ano inteiro, além disso, foi a cidade que mais emprego gerou nos últimos meses. Sinal de que o turismo está bombando nessas cidades.  Turismo forte, aumenta o número de empregos no comércio, melhora a vida das pessoas.  Que os prefeitos possam fazer muito mais para incrementar cada vez mais o turismo em nossa região. A população agradece. É claro,tudo dentro da legalidade... 

terça-feira, 17 de maio de 2016

Via Orla

Memória

O relato da morte do PM Teodoro Leite pelo PCC, em Caraguá, em maio de 2006.

Há exatamente dez anos, o estado de São Paulo vivia um dos mais tristes momentos de sua história. A facção criminosa, conhecida como PCC (Primeiro Comando da Capital), que dominava os presídios do Estado, colocou suas tropas com o objetivo de implantar o terror. Policiais militares foram mortos, inocentes assassinados, ônibus foram queimados e foram inúmeras as cadeias com rebeliões. No mesmo período, foram registradas 493 mortes de pessoas, nas periferias das cidades paulistas, crimes atribuídos a grupos de extermínio como forma de retaliação aos ataques praticados pelo PCC.
Litoral Norte.
Aqui, em nossa região, registrou-se a morte de dois policiais militares: Ambrósio Silva, de Ubatuba e Teodoro Bastos Leite, de Caraguá. Nos dias seguintes foram registradas as mortes de 19 pessoas por grupos de extermínio, possivelmente. Em retaliação as mortes dos policiais. Em São Sebastião, uma rebelião causou a morte de 9 pessoas carbonizadas. Passados dez anos, algumas mortes foram esclarecidas, como a do PM Teodoro Bastos Leite, mas a maioria, ainda permanece sem conclusão. O blog conseguiu acesso ao relato da morte do PM Teodoro Bastos Leite. A Justiça chegou aos autores do crime através de interceptação telefônica e quebra do sigilo telefônico de várias pessoas ligadas ao tráfico de drogas na cidade.
Morte encomendada
Apurou-se o seguinte: um grupo de pessoas do PCC que comandava o tráfico de drogas na região do bairro do Sumaré reuniu no início de maio e decidiu pela morte do PM. O motivo, além da decisão da direção do PCC, de promover o terror nas cidades paulistas, a morte de Teodoro se justificava porque ele morava muito próximo do ponto de drogas no bairro, local mais conhecido como “biqueira”.
O que esclareceu a justiça: a morte de Teodoro foi articulada por E.M.D, conhecido como “Tio”; A.A.S, vulgo “Cachorrão”; e, D.S.S, também conhecido como “Paulista”. As armas foram conseguidas por A.S, vulgo “Negão” e R.A, vulgo “Neneca”.  O policial militar foi assassinado com onze tiros, nove deles na cabeça, por volta da 1h15 da madrugada, do dia 14 de maio de 2006, na travessa Engenho Velho, no bairro do Sumaré. Teodoro tinha 30 anos e era um policial muito querido no bairro e na cidade.
Logo após o crime, “Cachorrão” ordenou que cessasse os ataques aos policiais militares na cidade. “Tio” fugiu para a cidade de Navegantes, em Santa Catarina. “Cachorrão”, “Paulista” e “Vavá”, apelido de Valdemir, fugiram para a cidade de Pombal, na Paraíba. As prisões começaram a ocorrer oito dias após a morte de Teodoro. Paulão (que ficou com a biqueira no lugar de “Tio”) foi preso no dia 22 de maio de 2006. Rodrigo, o “Neneca” foi detido no dia 24 de maio. No dia 28 de maio foram presos, em Pombal (PB), “Cachorrão”, “Paulista” e “Vavá”.
“Tio” foi preso no dia 14 de junho de 2006 em Navegantes (SC). A prisão dele foi feita por policiais da Delegacia de Investigação sobre Entorpecentes (Dise) de São Paulo e das polícias Civil e Militar de Navegantes. Sua prisão mereceu destaque na imprensa de Santa Catarina. “Tio” foi preso em uma casa no bairro São Paulo onde, segundo à polícia local já tinha montado ponto-de-venda de drogas no bairro e planejava executar traficantes locais e acabar com a concorrência. Ele fugiu da cadeia e foi preso novamente em fevereiro de 2010 pela polícia militar em Caraguatatuba. A justiça concluiu o caso Teodoro em agosto de 2011.  Não foi possível apurar a pena de cada um deles e, se todos, encontram-se detidos atualmente. Todos foram denunciados por formação de quadrilha e “Tio” também por homicídio. O PM Teodoro foi homenageado pela prefeitura, que cedeu seu nome a um centro de recuperação social.     
Mães de Maio
Um levantamento do MP (Ministério Público) de São Paulo, mostra que 508 pessoas morreram durante o mês de maio, como represália aos ataques do PCC. Um total de 198 casos foram arquivados, suspensos ou extintos e para mais de 270 casos nada consta para o MP, o que indica que as investigações continuam em aberto, mas não tiveram desdobramentos.
Dos mais de 500 registros, somente 30 foram denunciados para a Justiça, segundo o MP — quatro chegaram ao Tribunal do Júri e estão em fase de recurso; três foram impronunciados (quando o juiz conclui que não há provas contra o acusado pelo crime em questão); quatro foram julgados e os réus, absolvidos; dois foram suspensos, um arquivado; dois tiveram os réus condenados e os demais ainda estão em aberto.  


Foi criada a entidade “Mães de Maio”, em São Paulo, para cobrar agilidade da justiça para esclarecer e apurar os responsáveis pelas mortes de civis em represália aos ataques do PCC. Aqui no Litoral Norte, foram mortas 19 pessoas, sendo dez, em Caraguá; seis em Ubatuba; e, três em São Sebastião.
A maioria delas, mortas por homens encapuzados, portando armas automáticas.     

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Via Orla

Turismo
Prefeitos do Litoral Norte e Sul cobram melhorias na Rio-Santos.
Há muito tempo a rodovia Rio-Santos, que interliga o litoral paulista de ponta a ponta, vem sendo questionada pelos seus usuários. Considerada como a principal rodovia do Turismo paulista e também do litoral sul fluminense, a Rio-Santos há muito já não comporta o tráfego intenso nos feriados e férias de verão. Os congestionamentos registrados nesses períodos, também prejudicados, por lombadas e radares (são 75 radares entre Ubatuba e Santos), colabora para afastar os turistas da região. E, isso, tem preocupado prefeitos, vereadores, hoteleiros e comerciantes.
A situação é complicada nos feriados prolongados e férias de verão. Uma viagem entre Ubatuba e Caraguá, cujo percurso tem 56 quilômetros e que, em dias comuns pode ser percorrido em uma hora; no feriado o motorista chega a levar até oito horas. A mesma situação ocorre no trecho que corta as cidades do Litoral Sul. No último feriado de Tiradentes uma viagem entre a praia de Juquehy(São Sebastião) e a Riviera de São Lourenço(Bertioga), um trecho de 30 quilômetros, os motoristas gastaram cerca de duas horas.
Haja paciência por parte dos usuários da Rio-Santos. O prefeito de Caraguá, Antonio Carlos da Silva, há muito tempo cobra do governo do estado melhorias na rodovia. O prefeito sempre que encontra como governador Alckmin procura justificar as necessidades de melhorias na rodovia no trecho entre Ubatuba e Caraguá. Segundo Antonio Carlos, com a duplicação da Tamoios, mais turistas estão chegando ao Litoral Norte e, isso, tem sobrecarregado a Rio-Santos nos feriados e férias de verão.
Conforme reportagem de hoje, da Tribuna de Santos, os demais prefeitos também resolveram entrar na briga por melhorias na rodovia. Segundo o prefeito de Bertioga, Mauro Orlandini (DEM), “A falta das obras da Rio-Santos afeta demais a comunidade. Trata-se de uma urgência. É preciso um forte trabalho regional para mudar esse quadro. Temos cobrado os governos do Estado e Federal para que tenham mais atenção com a rodovia, na qual aumenta o fluxo a cada ano que passa. Ela já está saturada”. Atual presidente do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana da Baixada Santista (Condesb), Orlandini também diz que o projeto para melhorias na estrada está pronto, mas o Estado sempre protela o início das intervenções.
Segundo Orlandini, “Quando parece que as coisas vão sair do papel, elas não vão para frente. Nada que uma boa vontade política e um investimento não resolvam”, desabafa o prefeito, que é favorável à elevação da pista e à abertura de marginais estruturadas para melhorar o fluxo de veículos em Bertioga. “O intuito dos radares é bom, mas eles atrapalham demais e criam um gargalo. A gente percebe que há um engavetamento. O fluxo de veículos fica mais lento”, diz.
O prefeito de São Sebastião, Ernane Bilotte Primazzi (PSC), reconhece que a atual situação da rodovia prejudica o turismo na região.  “Se há demora demasiada para os turistas fazerem o trajeto na rodovia, isso representa um desestímulo para a frequência em nossas praias e traz prejuízos ao nosso município”, destaca.

O prefeito de Ilhabela, Antonio Colucci (PPS), está na torcida para que os investimentos para a melhoria da rodovia sejam concretizados por conta do desenvolvimento dos municípios do Litoral Norte. Ele admite que recebe muitas críticas na Cidade por causa do excesso de lombadas na Rio-Santos, o que irrita muitas pessoas que pretendem ir até Ilhabela. “Isso é uma verdadeira guerra. Incomoda demais e afugenta os turistas”, comenta.